Manjericão

Por Diogo Silva

Planta/Parte: Erva Florescendo topos e folhas (Fonte: Norte da África, França, Chipre, Seychelles)

Nome Científico: Ocimum Basilicum

Extração: Destilação

AROMA: Tem uma fragrância doce de alcaçuz.

Perfume: Muito claro, doce e levemente picante.

PROPRIEDADES: Calmante, energizante, tonificante. Uso tradicional: desodorante, calmante, repelente de insetos, relaxante muscular. Revigora o corpo e o espírito: ajuda a refrescar a mente permitindo a concentração, especialmente quando cansados. Um bom tônico do sistema nervoso após um dia estressante e parece ter um efeito animador na depressão.

CONSTITUINTES QUÍMICOS: Linalol, Borneone, Metilchavicol, Cânfora, Cineole, Citronela, Eugenol, Ocimene, Pineno, Limonene, Sylvestrene (Terpenos)

PRECAUÇÕES:Não use manjericão durante a gravidez, pode ser irritante para a pele.

MISTURA: Combina bem com: Lavanda, Bergamota, Pimenta Preta, Sálvia Esclareia, Gerânio, Manjerona, Melissa, Neroli, Sândalo.

Digestivo: estimula a produção de suco gástrico (carminativo), auxilia a digestão, acalma o estômago, dissipa gases. usado para tratar indigestão, dispepsia, constipação, flatulência, náusea, intoxicação alimentar. segundo Philippe Mailhebiau, descongestiona o fígado e estimula a produção de bílis

Genito-urinário: estimula a produção do sangue menstrual (emenagogo), alivia as cólicas menstruais.

Músculos/Articulações: reduz a tensão muscular, alivia a dor, usado para tratar reumatismo, artrite e dores musculares (também resultantes de esforço excessivo).

Circulação: melhora. Sistema imunológico: fortalece.

Respiratório: antisséptico, antiespasmódico, alivia a tosse, ajuda a expelir o muco, reduz a febre (febrífugo). usado para bronquite, tosse, coqueluche, sinusite, asma.

Pele/Cabelo: estimula a circulação, útil para pele sem brilho, congestionada, celulite e cabelos sem brilho.

Emocional: edificante, estimula o córtex adrenal, clareia a cabeça, melhora a memória e ajuda na concentração, aguça os sentidos. acalma os medos, ajuda a combater a ansiedade, a depressão, a insônia. segundo Philippe Mailhebiau, “reequilibra quem usa muito o intelecto e está mentalmente exausto”. segundo Valerie Ann Worwood, é útil no tratamento de vícios e ajuda a superar o medo da intimidade.

Outros: espanta mosquitos e outros insetos, usados ​​para tratar picadas de vespas. aumenta a secreção de leite. dr valnet recomenda-o para epilepsia. diz-se para restaurar o sentido do olfato perdido. usado para dores de cabeça e de ouvido.

Atenção: melhor evitar na gravidez. pode ser hipnótico em altas doses.

A planta de manjericão (Ocimum basilicum) leva o nome da palavra grega para um rei – ‘basileum’, possivelmente porque a planta era tão valorizada que era considerada um rei entre as plantas, ou talvez porque era um ingrediente de um óleo para unção de reis. Sir John Parkinson em seu herbal diz: “O cheiro dele é tão excelente que é adequado para a casa de um rei”. A planta ainda é muito valorizada na Grécia atual, tanto para cozinhar quanto como erva medicinal, e tem vários nomes populares, como ”Alegria das Montanhas” e ”Alegria do Menino”. Vasos podem ser encontrados ao pé do púlpito nas igrejas gregas.

A planta cresce selvagem em todo o Mediterrâneo, especialmente nas encostas ensolaradas, e existem várias variedades, variando em altura, cor das folhas, etc. As folhas podem ser de um verde muito escuro, ou podem ser mais claras e peludas, estreitas ou ereta. O aroma também varia, em alguns casos lembrando o Funcho ou o Estragão, mas a variedade utilizada na aromaterapia tem flores rosa pálido, folhas ovais peludas e seu próprio cheiro característico que é um pouco parecido com o tomilho, mas mais quente e picante. Embora a planta tenha se naturalizado no Mediterrâneo e em muitas outras partes da Europa, é nativa da Ásia e tem uma longa história de uso na medicina tradicional indiana.

O óleo essencial é amarelado, e seus princípios ativos incluem metilchavicol (40% a 50%) com linalol, cineol, eugenol, pineno e CAMPHOR.

O manjericão tem sido usado desde a antiguidade para infecções no peito, problemas digestivos e icterícia e alguns escritores o consideram um afrodisíaco. No século 16, era amplamente usado para dores de cabeça, enxaquecas e resfriados, sendo transformado em pó e inalado como rapé para limpar a cabeça! Podemos achar a inalação do óleo essencial um método mais civilizado, mas ainda é usado para os mesmos problemas. Também é um excelente cefálico, perdendo apenas para o Alecrim em seu efeito clareador sobre o cérebro, por isso é bom para a fadiga mental. É certamente um óleo que pode ser descrito como edificante e um dos primeiros herbalistas disse que o manjericão ‘expele vapores melancólicos do coração’.

Os usos principais do Manjericão incluem o tratamento de todos os tipos de infecções respiratórias, incluindo BRONQUITE e COQUELUCHE, e muitas condições febris. Também é antiespasmódico, e a massagem sobre o estômago com manjericão aliviará muitas dificuldades digestivas. Pode ser usado, novamente em massagem suave sobre o abdome, para auxiliar períodos escassos e dolorosos.

Como óleo de massagem, o manjericão infelizmente não é uma escolha tão popular.

Compartilhar
Comentar