O sistema imunológico

Por Diogo Silva

A forma como o corpo humano se protege contra infecções é extremamente complexa, envolvendo vários órgãos e sistemas diferentes.

A infecção surge quando o corpo é invadido por bactérias, vírus ou fungos: coletivamente chamados de microrganismos, mas muitos desses organismos entram continuamente no corpo, e alguns vivem permanentemente nele sem causar danos. A infecção só é dita estar presente quando um organismo invasor começa a se reproduzir e se multiplicar dentro do corpo.

A primeira linha de defesa é a pele, e a membrana mucosa que reveste a boca, nariz, pulmões, etc. As bactérias não podem penetrar na pele a menos que esteja quebrada, e tanto o suor quanto o sebo são levemente antissépticos. As membranas mucosas são uma barreira um pouco menos eficaz, sendo capazes de excluir certas bactérias, mas não outras.

Uma vez que qualquer microrganismo ameaçador entra no corpo, uma cadeia de eventos é iniciada, envolvendo várias células especializadas no sangue, sistema linfático, baço, timo e fluidos teciduais. Isso é conhecido como resposta imune. Embora as células mais ativamente envolvidas nesta resposta sejam coletivamente conhecidas como glóbulos brancos, elas são encontradas em grande número nos linfonodos, fluidos teciduais, etc., e é possível que sua atividade principal ocorra fora da corrente sanguínea, o que apenas serve para transportá-los para onde eles são mais necessários.

Os fagocitos, formados na medula óssea, são grandes células brancas que literalmente se envolvem em partículas estranhas, incluindo bactérias, e as matam, embora muitas vezes a própria célula morra no processo. O pus que se reúne em uma ferida infectada, por exemplo, contém um grande número dessas células junto com as bactérias mortas. Os fagocitos são frequentemente referidos como células “catadores”.

Os linfócitos, que são formados tanto na medula óssea, quanto no tecido linfático (linfonodos, baço e timo) têm uma função diferente: são capazes de fabricar anticorpos a partir de  complexas (gamma globulinas). Estes são produzidos em resposta à ameaça de um microrganismo específico, e quando o mesmo organismo é encontrado no futuro, ele se opõe aos anticorpos já presentes no sangue, que ajudam a suprimir o crescimento e a atividade de bactérias e vírus. Quando anticorpos suficientes para qualquer organismo estão presentes para evitar que os sintomas da doença surjam, dizem que temos imunidade a esse organismo em particular.

Coordenando a atividade dessas células estão as células T. As células auxiliares T estimulam a produção e a atividade de faócitos e linfócitos, enquanto as células supressoras T iniciam o processo de “enrolamento” quando o perigo da infecção passou. Quando o sistema imunológico está funcionando normalmente, as células auxiliares T superam as células supressoras T em cerca de 2 para 1, mas se o sistema está danificado ou esgotado, o número de células auxiliares T diminui.

O sistema linfático desempenha um papel importante na resposta imune. Um grande número de linfócitos são formados nos linfonodos em resposta à infecção. Um número maior do que o normal de bactérias circulando no fluido linfático faz com que a produção de linfócitos aumente drasticamente. Também nos linfonodos existem grandes células ‘carniceiros’ chamadas macrófagos, que filtram e engolfam bactérias e outras partículas indesejadas, Durante a infecção, todas as atividades dos linfonodos são intensificadas e o acúmulo de células e bactérias ativas e mortas pode fazer com que os nós se aumentem. Isso pode muitas vezes ser sentido e visto no pescoço, axilas e virilha, e esse inchaço é característico de algumas doenças, como a febre glandular.

As glândulas suprarrenais também desempenham um papel na resposta imune, segregando hormônios que desencadeiam alguns dos processos. O estresse diminui a resistência do corpo à infecção em parte porque períodos de estresse esgotam as suprarrenais.

Embora uma definição ortodoxa do sistema imunológico não inclua o cólon, acredita-se agora que um cólon saudável é uma parte importante do mecanismo de proteção. Milhões de bactérias “amigáveis” no intestino (a flora intestinal) ajudam a controlar e suprimir microrganismos que poderiam colocar o corpo em perigo.

Os oleos essencias podem apoiar e fortalecer a resposta imune de duas maneiras: opondo-se diretamente aos microrganismos ameaçadores ou estimulando e aumentando a atividade dos órgãos e células envolvidas. Uma série de óleos essenciais combinam ambas as ações, por exemplo, Lavanda, Bergamota , Eucalipto e Alecrim atuam contra uma grande variedade de bactérias e vírus e, ao mesmo tempo, aumentam a resposta imune. Alecrim e Gerânio suportam as glândulas suprarrenais em sua ação e também são estimulantes do sistema linfático. Pimenta preta e Lavanda têm uma ação benéfica no baço.

Um grupo muito importante de óleos essencias nesse contexto é a Melaleuca pois combinam propriedades bactericidas, antivirais e fungicidas com uma ação poderosamente estimulante na resposta imune. A Melaleuca é ativo contra todas as três categorias de microrganismos e também é um dos imune estimulantes mais poderosos que conhecemos. O uso desses óleos, bem como os mencionados no parágrafo anterior, auxiliam o corpo de forma muito eficaz na resistência e combate à infecção, e esta ação é especialmente marcada se os óleos forem utilizados no primeiro aparecimento dos sintomas.

No entanto, praticamente todos os óleos essenciais no uso terapêutico são ativos contra uma ou mais bactérias, e quase todas elas estimulam a produção de glóbulos brancos, embora lavanda, bergamota e Melaleuca façam isso de forma mais acentuada. As pessoas que usam óleos essenciais o tempo todo, como parte de suas rotinas diárias de banho, cuidados com a pele e domésticos, têm principalmente um alto nível de resistência à doença, “pegando” menos resfriados, etc., do que a média e se recuperando rapidamente se o fizerem.

Quando a infecção é recorrente ou prolongada, e o sistema imunológico está esgotado, o tratamento com uma variedade de óleos essenciais deve ser continuado por pelo menos um mês, de modo que não só os microrganismos do corpo são controlados, mas o sistema imunológico reparado e reforçado para resistir a ataques futuros.

A nutrição também é importante, pois uma variedade de nutrientes essenciais são necessários para a fabricação dos glóbulos brancos. Uma dieta com proteína adequada e uma alta proporção de frutas cruas e vegetais, sementes e grãos com um pouco de óleo vegetal insaturado, geralmente fornecerá tudo o que é necessário, mas se o sistema estiver muito esgotado, a suplementação é vital até que um equilíbrio saudável seja restaurado.

Compartilhar
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Comentar