Medicina Tradicional Chinesa

Por Diogo Silva

Todas as culturas do mundo tiveram o conhecimento de como tratar doenças usando remédios à base de plantas e como praticar a medicina popular. Para os povos antigos, acreditava-se que doenças tinham sido causadas pelos deuses ou pelo sobrenatural e tratamento para esses pacientes, em muitas culturas, tinha um sentimento mágico-religioso.

Na China, a prática mais antiga de tratamento de doenças foi transmitida oralmente ao longo das gerações de diferentes povos migratórios. Parte do conhecimento foi gravado através de outras formas, como artes folclóricas, contos folclóricos e danças folclóricas e canções. Uma vez estabelecido um sistema de escrita, a medicina popular foi registrada. No entanto, não há como saber quanto dos primeiros conhecimentos e práticas foram perdidos. Uma de nossas primeiras fontes de medicina popular chinesa vem de inscrições em ossos oráculos, conchas e outros artefatos .

A medicina tradicional chinesa, também conhecida como MTC, inclui uma série de práticas medicinais tradicionais originárias da China. Embora bem aceito no mainstream da assistência médica em toda a Ásia Oriental, é considerado um sistema médico alternativo em grande parte do mundo ocidental, e tem sido objeto de muitas críticas como tendo eficácia duvidosa e não comprovada e uma base científica insana.

Para os chineses, o tratamento tinha um elemento religioso e mágico e a medicina popular tradicional tem suas raízes nisso, a lenda vegetal e as técnicas médicas rudimentares e curas de fé dos pastores neolíticos e caçadores-coletores. Foram essas pessoas que sobreviveram a feridas e doenças confiando no mundo natural ao seu redor. De acordo com a tradição chinesa, não se pode alcançar um estado de boa saúde sem antes criar uma relação harmoniosa com a natureza.

As origens da medicina popular chinesa podem ser encontradas no período neolítico. Aqui, o tratamento diário de feridas e doenças comuns foi tratado de acordo com suas crenças religio-mágicas. Gradualmente, essas práticas se desenvolveram junto com suas crenças, cada uma reforçando a outra. Eventualmente, algumas pessoas perceberam que, com a ajuda da natureza, poderiam levar vidas prósperas e decentes sem ter que pescar e caçar, cuidar dos animais, até o solo, ou lutar contra inimigos, o que exigia gastos significativos de trabalho em termos de sobrevivência.

Estes poucos selecionados eram conhecidos como chen-jen, e eram os únicos na tribo que eram capazes de fazer diagnósticos e prognósticos. Embora uma pessoa experiente e hábil pudesse tratar pequenas feridas e doenças, era o chen-jen que eram os únicos que podiam tratar aflições ou doenças incomuns. Por exemplo, kuei poderia invadir o paciente; o huno tinha deixado o corpo deixando seu Po (‘alma carnal’) desprotegido. Era responsabilidade do chen-jen encontrar uma maneira de reunir as almas etéreas e carnais, a fim de trazer o paciente de volta à saúde.

Medicina Tradicional Chinesa

Com o tempo, novos tratamentos e influências foram incorporados à medicina popular chinesa. Durante a Dinastia Han (25 – 220 d.C.), a medicina indiana foi transferida ao longo da Rota da Seda para a China, juntamente com o budismo. Foi o conhecimento indiano da medicina que teve grande influência na medicina chinesa.

As práticas de MTC incluem tratamentos como fitoterápicos chineses, acupuntura, terapia dietética e massagem tui na e shiatsu. Qigong e Taijiquan também estão intimamente associados ao MTC. MTC afirma ter milhares de anos e está enraizado na observação meticulosa de como a natureza, o cosmos e o corpo humano estão interagindo. As principais teorias incluem; Yin Yang, os cincos elementos, o corpo humano Meridiano/Sistema de Canais, teoria dos órgãos Zang Fu, etc. A medicina tradicional chinesa moderna foi sistematizado na década de 1950 sob a República Popular da China e Mao Tse Tung. Antes desta medicina chinesa era praticada principalmente dentro de sistemas de linhagem familiar, embora isso não seja verdade em todos os casos.

Hoje, as maiores decisão de remédios populares na china são tomadas pela pulsologia e acupuntura. Usando o pulso como meio de diagnóstico, permitiu que os médicos identificassem as causas da doença e, em seguida, permitissem equilibrar o yin (o elemento negativo, escuro, feminino, frio, passivo) e o Yang (o elemento positivo, leve, masculino, quente, ativo). A acupuntura usa agulhas longas e finas para variar o fluxo de Qi(energia) que viaja ao longo de canais invisíveis no corpo.

Nos últimos anos, a medicina popular tradicional está ganhando popularidade nos usuários ocidentais e ainda é fortemente procurada pelos chineses. Embora o modelo ocidental da medicina contemporânea ainda seja o mais dominante globalmente, a medicina popular começou a ser incorporada em hospitais e práticas médicas.

Ervas Escritas

Com uma história de 2000 a 3000 anos, a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) formou um sistema único para diagnosticar e curar doenças. A abordagem do MTC é fundamentalmente diferente da medicina ocidental. Na MTC, a compreensão do corpo humano baseia-se na compreensão holística do universo como descrito no Taoísmo, e o tratamento da doença baseia-se principalmente no diagnóstico e diferenciação das síndromes.

A abordagem MTC trata os órgãos zang-fu como o núcleo do corpo humano. Tecidos e órgãos estão conectados através de uma rede de canais e vasos sanguíneos dentro do corpo humano. Qi (ou Chi) age como uma espécie de portador de informações que é expressa externamente através do sistema jing luo. Patologicamente, uma disfunção dos órgãos zang-fu pode ser refletida na superfície do corpo através da rede, e enquanto isso, doenças dos tecidos da superfície corporal também podem afetar seus órgãos zang ou fu relacionados. Os órgãos zang ou fu afetados também podem influenciar uns aos outros através de conexões internas. O tratamento tradicional da medicina chinesa começa com a análise de todo o sistema, depois foca na correção de mudanças patológicas através do reajuste das funções dos órgãos zang-fu.

A avaliação de uma síndrome não inclui apenas a causa, o mecanismo, a localização e a natureza da doença, mas também o confronto entre o fator patogênico e a resistência corporal. O tratamento não se baseia apenas nos sintomas, mas na diferenciação das síndromes. Portanto, aqueles com uma doença idêntica podem ser tratados de formas diferentes e, por outro lado, diferentes doenças podem resultar na mesma síndrome e serem tratadas de forma semelhante.

O diagnóstico clínico e o tratamento na Medicina Tradicional Chinesa baseiam-se principalmente nas teorias yin-yang e cinco elementos. Essas teorias aplicam os fenômenos e leis da natureza ao estudo das atividades fisiológicas e das mudanças patológicas do corpo humano e suas inter-relações. As terapias típicas de MTC incluem acupuntura, fitoterápicos e exercícios de qigong. Com acupuntura, o tratamento é realizado estimulando certas áreas do corpo externo. A medicina fitoterápica atua internamente em órgãos zang-fu, enquanto qigong tenta restaurar o fluxo de informações ordenadas dentro da rede através da regulação de Qi. Essas terapias parecem muito diferentes na abordagem, mas todas compartilham os mesmos conjuntos subjacentes de suposições e intuições na natureza do corpo humano e seu lugar no universo. Alguns cientistas descrevem o tratamento de doenças através de medicamentos à base de plantas, acupuntura e qigong como uma “terapia da informação”.

A Teoria dos Cinco Elementos

A teoria de cinco elementos: madeira, fogo, terra, metal e água era um conceito filosófico antigo usado para explicar a composição e os fenômenos do universo físico. Na medicina tradicional chinesa, a teoria de cinco elementos é usada para interpretar a relação entre a fisiologia e a patologia do corpo humano e o ambiente natural. De acordo com a teoria, os cinco elementos estão em constante movimento e mudança, e a interdependência e a contenção mútua dos cinco elementos explicam a complexa conexão entre objetos materiais, bem como a unidade entre o corpo humano e o mundo natural.

Na medicina tradicional chinesa, os órgãos e viscerais, assim como outros órgãos e tecidos, têm propriedades semelhantes aos cinco elementos; eles interagem fisiologicamente e patologicamente como os cinco elementos fazem. Através da comparação de similaridade, diferentes fenômenos são atribuídos às categorias dos cinco elementos. Com base nas características, formas e funções de diferentes fenômenos, explicam-se as ligações complexas entre fisiologia e patologia, bem como a interconexão entre o corpo humano e o mundo natural.

Os cinco elementos emergiram a partir de uma observação dos diversos grupos de processos dinâmicos, funções e características observadas no mundo natural. Os aspectos envolvidos em cada um dos cinco elementos são seguidos:

Fogo: calado, calor, queima, ascensão, movimento, etc.

Madeira: germinação, extensão, maciez, harmonia, flexibilidade, etc.

Metal: força, firmeza, matança, corte, limpeza, etc.

Terra: crescendo, mudança, nutrindo, produzindo, etc.

Água: umidade, frio, descendente, fluindo, etc.

A ordem de promoção mútua entre os cinco elementos é que a madeira promove o fogo, o fogo promove a terra, a terra promove o metal, o metal promove a água e a água gera madeira. Dessa forma, cada um dos cinco elementos tem esse tipo de relação mútua de promoção com o outro, promovendo assim é circular e interminável. De acordo com a ordem de restrição mútua, no entanto, a madeira restringe a terra, o metal restringe a madeira, etc. Cada um dos cinco elementos também compartilha essa relação de contenção com o outro. A promoção mútua e a contenção mútua são dois aspectos que não podem ser separados. Se não há promoção, então não há nascimento e crescimento. Se não houver restrição, então não há mudança e desenvolvimento para manter relações harmoniosas normais. Assim, o movimento e a mudança de todas as coisas existe através de suas relações mútuas de promoção e contenção. Essas relações são a base da circulação de elementos naturais.

A Medicina Tradicional Chinesa é um assunto vasto que não pode ser completamente abordado neste artigo. Espero, porém, que isso tenha lhe dado motivos para pesquisar mais sobre o assunto e buscar mais conhecimento.

Compartilhar
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Comentar