Ervas e Plantas Medicinais

Por Diogo Silva

As plantas têm uma longa e rica história de uso medicinal e, mesmo na era da medicina moderna, suas propriedades medicinais ainda são procuradas.

Um dos clássicos da medicina à base de plantas foi escrito há mais de 350 anos, The Complete Herbal, de Culpeper, publicado em Londres em 1649. Este provou ser um livro duradouro, passando por 100 edições.

Plantas medicinais foram identificadas e usadas ao longo da história humana. As plantas fazem muitos compostos químicos que são para funções biológicas, incluindo defesa contra insetos, fungos e mamíferos herbívoros.

Pelo menos 12.000 desses compostos foram isolados até agora; um número estimado em menos de 10% do total. Compostos químicos nas plantas mediam seu efeito no corpo humano através de processos idênticos aos já bem compreendidos para os compostos químicos em drogas convencionais; assim, os medicamentos à base de plantas não diferem muito dos medicamentos convencionais em termos de como funcionam.

Isso permite que os medicamentos à base de plantas tenham farmacologia benéfica, mas também lhes dá o mesmo potencial que os medicamentos farmacêuticos convencionais para causar efeitos colaterais prejudiciais. Além disso, o material vegetal vem com uma variedade de compostos que podem ter efeitos indesejados, embora estes possam ser reduzidos pelo processamento.

O uso de plantas como medicamentos pré-data a história humana escrita. A etnobotânica, o estudo dos usos humanos tradicionais das plantas, é reconhecida como uma maneira eficaz de descobrir medicamentos futuros.

Em 2001, pesquisadores identificaram 122 compostos utilizados na medicina moderna que eram derivados de fontes tradicionais de plantas; 80% deles tiveram uso tradicional idêntico ou relacionado ao uso atual dos elementos ativos da planta.

Alguns dos fármacos atualmente disponíveis para médicos são derivados de plantas que têm uma longa história de uso como remédios à base de ervas, incluindo aspirina, digoxina, quinina e ópio.

A capacidade de sintetizar uma grande variedade de compostos químicos que são usados para executar funções biológicas importantes, e para se defender contra ataques de predadores como insetos, fungos e mamíferos herbívoros é chamada de medicina fitoterápica.

Muitos desses fitoquímicos têm efeitos benéficos na saúde a longo prazo quando consumidos por seres humanos, e podem ser usados para tratar efetivamente doenças humanas.

Pelo menos 12.000 desses compostos foram isolados até agora; um número estimado em menos de 10% do total. Esses fitoquímicos são divididos em (1) metabólitos primários, como açúcares e gorduras, que são encontrados em todas as plantas; e (2) metabólitos secundários – compostos que são encontrados em uma gama menor de plantas, servindo uma função mais específica. Por exemplo, alguns metabólitos secundários são toxinas usadas para impedir a predação e outros são feromônios usados para atrair insetos para polinização.

São esses metabólitos secundários e pigmentos que podem ter ações terapêuticas em humanos e que podem ser refinados para produzir drogas — exemplos são inulinas das raízes das dálias, quinina da cinchona, morfina e codeína da papoula, e digoxina da luva de raposa.

Medicinal Herbs

Compostos químicos nas plantas mediam seus efeitos no corpo humano através de processos idênticos aos já bem compreendidos para os compostos químicos em drogas convencionais; assim, os medicamentos à base de plantas não diferem muito dos medicamentos convencionais em termos de como funcionam. Isso permite que os medicamentos à base de plantas sejam tão eficazes quanto os medicamentos convencionais, mas também lhes dá o mesmo potencial para causar efeitos colaterais prejudiciais.

Na Europa, os boticários estocaram ingredientes à base de plantas para seus medicamentos. Nomes científico para plantas criadas por Lineu, a palavra disinalis indica que uma planta foi usada dessa forma. Por exemplo, o pântano mallow tem a classificação Althaea officinalis, como era tradicionalmente usado como um emoliente para acalmar as úlceras. A medicina ayurvédica, a medicina fitoterápica e a medicina tradicional chinesa são outros exemplos de práticas médicas que incorporam usos médicos das plantas. A farmacognosia é o ramo da medicina moderna sobre medicamentos de fontes vegetais.

A medicina moderna agora tende a usar os ingredientes ativos das plantas em vez de plantas inteiras.

Os fotoquímicos podem ser sintetizados, compostos ou transformados de outra forma para fazer produtos farmacêuticos. Exemplos desses derivativos incluem: Digoxina, Digitalis purpurea (dedaleira) capsaicina e aspirina, que está quimicamente relacionada com o ácido salicílico encontrado no salgueiro branco.

A papoula do ópio continua a ser uma grande fonte industrial de opiáceos, incluindo morfina. Poucos remédios tradicionais, no entanto, se traduziram em drogas modernas, embora haja pesquisas contínuas sobre a eficácia e possível adaptação dos tratamentos tradicionais de ervas.

IMPORTANTE

Se você estiver grávida ou amamentando: NUNCA tome ervas ou suplementos sem antes consultar o seu médico!

Compartilhar
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on pinterest
Share on linkedin
Share on email
Share on print
Comentar